Juara (MT), 22 de setembro de 2019 - 04:01

? ºC Juara - MT

Saúde

06/06/2019 05:43 R7

Como lidar com o medo de agulha na hora de vacinar seu filho

O medo de agulha pode dificultar a vacinação de crianças, que contam com ao menos oito vacinas obrigatórias na infância. Segundo o pediatra Moises Chencinski, presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPP), algumas condutas ajudam a facilitar esse processo.

No caso de crianças que ainda estão sendo amamentadas, ele recomenda que a vacinação seja feita durante o aleitamento. "Cinco minutos antes da vacinação, a mãe pode começar a amamentar e, durante esse processo, a vacina pode ser dada no braço ou na perna da criança", afirma.

Segundo ele, mais do que distrarir a criança, a amamentação atua sobre o efeito da dor. "Existem outras medidas para amenizar a dor, como fornecer o leite materno, sem o aleitamento, e oferecer água com açúcar ou doce quando a criança tem mais de 2 anos. Antes dessa idade é aconselhado zero açúcar", diz.

O pediatra explica que existem vacinas "mais dolorosas" que são a de meningite B, febre amarela e tríplice bacteriana (tétano, difteria e coqueluche). "A criança tem menos tolerância à dor do que o adulto e o líquido, mais do que a agulha, pode, às vezes, ser um pouco dolorido", afirma.

A vacina de meningite B e da febre amarela não são obrigatórias na infância. "A da meningite B não é oferecida pelo SUS, mas faz parte do calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria", diz.

De acordo com o médico, em casos excepcionais, analgésicos podem ser ministrados uma hora antes da aplicação da vacina contra a meningite B. "Ressaltando que é só no caso dessa vacina, pois de outras pode haver interferência na eficácia do imunizante".

Pais podem influenciar o medo 

Chencinski explica que, involuntariamente, pais podem influenciar no desenvolvimento do medo de agulhas nos filhos ao demonstrarem apreensão quando a criança vai ser vacinada. "A criança percebe a reação dos pais", diz. 

Demonstrar o próprio medo em tomar vacina também é uma forma de criar pânico na criança. "Se o filho vê o pai desmaiar quando é vacinado, ele poderá agir da mesma maneira", explica.

Encarar a vacinação e exames de sangue com naturalidade pode contribuir para a formação de adultos sem medo de agulhas. "O exemplo faz toda a diferença. Quando for levar o filho para se vacinar contra a gripe, por exemplo, se toda a família também se vacinar e demostrar que não doi nada, o filho se sentirá mais seguro e irá encarar a vacinação como algo positivo", afirma.

Quando o medo da criança passa a ser limitante, ou seja, se percebe um sofrimento excessivo ao ter que enfrentar a agulha, ele orienta que se consulte um psicólogo. "Se ao levar a criança para ser vacinada ela transpira muito, tem o coração acelerado e se debate, ou seja, apresenta uma reação exagerada, o medo pode ter se tornado uma fobia e precisa ser tratado", explica.

Alguns laboratórios dispõem de um dispositivo vibratório que, associados ou não a uma bolsa fria, ameniza a sensação de dor ao confundir as terminações nervosas. Segundo o pediatra, a eficácia desse produto não tem comprovação científica.

Qual a composição da vacina deste ano? A vacina trivalente da gripe desta temporada disponível na rede pública tem em sua composição os vírus inativados do H1N1 (A/Michigan/45/2015), H3N2 (A/Switzerland/8060/2017) e o vírus do tipo B da linhagem B/Victoria/2/87 (B/Colorado/06/2017). Nas vacinas quadrivalentes, ofertadas somente na rede privada, há a inclusão do vírus B da linhagem B/Yamagata/16/88 (B/Phuket/3073/2013).


Banner hospital quadrado

Acesse Notícias

Em tempo record o site mais visitado do Vale do Arinos

Copyright 2016 - Todos os direitos reservados.

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo