Juara (MT), 26 de março de 2019 - 00:23

? ºC Juara - MT

Saúde

08/02/2019 05:49 R7

Gravidez na adolescência afeta saúde física e mental de jovens

A adolescência, período que compreende as idades entre os 10 e 19 anos, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), é um estágio da vida em que o corpo passa por inúmeras transições, sejam elas hormonais, psicológicas e anatômicas. Nesta Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, especialistas ouvidos pelo R7 alertam sobre o impacto da gravidez precoce em um corpo e mente em formação.

De acordo com a pediatra Evelyn Eisenstein, membro do Departamento Científico de Adolescência da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), as jovens nessa idade passam por situações de vulnerabilidade quanto à saúde mental e emocional, acompanhamento médico, suporte familiar e, para adolescentes abaixo dos 15 anos. A situação fica ainda mais complicada, pois essas jovens estão em fase de crescimento, podendo ter alguma deficiência nutricional durante a gestação, já que competiriam com o feto pelo aproveitamento desses nutrientes.

Evelyn ressalta que, com essas mudanças, há ainda a possibilidade de desenvolver casos graves de anemia, diabetes gestacional, pré-eclampsia (hipertensão durante a gravidez). Entre outros problemas que esse contato sexual, que pode ou não resultar uma gestação, existe a possibilidade de infecção por IST's (Infecções Sexualmente Transmissíveis). 

Segundo a ginecologista Ana Carolina Pereira, membro da FEBRASGO (Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia), o útero dessa adolescente ainda não está completamente formado até os 18 anos de idade, não estando totalmente maduro para receber um embrião.

Um dos principais problemas apontados por ambas as especialistas é o apoio que essa jovem receberá, tanto de sua família, quanto do pai da criança. "É importante lembrar que aquela adolescente não engravidou sozinha. Ela foi engravidada. A gravidez na adolescência deve ser prevenida também por parte do garoto nessa idade, ou pelo homem mais velho que engravidou essa menina", afirma Evelyn.

A pediatra ressalta que grande parte das gestações durante a adolescência são resultado de relações com homens mais velhos ou por conta de violência sexual, muitas vezes praticadas por familiares daquela adolescente.

 

Evelyn fala, ainda, que, de acordo com o artigo 217 do Decreto de Lei 2848/40 do Código Penal Brasileiro, a relação sexual com menores de 14 anos é considerada como estupro de vulnerável, com pena de reclusão de oito a 15 anos.

"A falta de maturidade dos jovens para lidar com uma gravidez precoce pode trazer problemas como a depressão pós-parto e até a rejeição daquela criança que foi gerada, podendo não ter um vínculo com os pais biológicos, e ser deixada para ser cuidada pelos avós", afirma a ginecologista.

Outra preocupação da ginecologista é que, nessa idade, a jovem é mais sujeita a tentar um aborto, colocando em risco a própria vida, já que, com a desregularização da prática no país, a procura por uma clínica clandestina submete essas mulheres a procedimentos e materiais sem segurança para o organismo.

A pediatra afirma que, com essa gravidez precoce, há também uma exclusão dessa jovem, que deixa os estudos e apresenta grande dificuldade de inserção social e no mercado de trabalho, resultando um desequilíbrio socioeconômico na vida dessas jovens. 

Para ambas as especialistas, o principal meio de prevenção se dá pelo diálogo. "As famílias não podem encarar a sexualidade como tabu, e é necessário maior investimento em educação sexual e mais campanhas de prevenção", afirma a pediatra.

As especialistas afirmam que, entre os métodos contraceptivos mais aconselhados estão o uso de preservativo, que evita a gravidez precoce e a infecção por doenças, e a pílula contraceptiva. Para esse uso, a adolescente deve conversar com seu pediatra e com a ginecologista, que deve ser consultada a partir da primeira menstruação.

Os métodos anticoncepcionais disponíveis atualmente são, majoritariamente, à base de hormônios femininos. Pílulas, injeções, anel intravaginal e até mesmo adesivos usam, de maneira geral, uma combinação de estrógeno e progestagênio, versão sintética da progesterona, para evitar a gravidez. Já o dispositivo intra-uterino (DIU) hormonal, o implante e algumas pílulas anticoncepcionais fazem uso apenas do progestagênio


Banner hospital quadrado

Acesse Notícias

Em tempo record o site mais visitado do Vale do Arinos

Copyright 2016 - Todos os direitos reservados.

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo