Donos de jornais afirmam que foram vítimas de cilada (Veja o vídeo)

Publicado em 16/05/2011 às 07:27:37
Fonte: Midia News.


Donos de jornais afirmam que foram vítimas de cilada (Veja o vídeo)

Os sócios Otávio Alves e Márcio Pin, dos jornais Tribuna do Estado e Vida Mídia, presos na última quinta-feira (12), acusados de extorsão ao prefeito de Brasnorte, Mauro Rui Heisler, se dizem vítima de uma "tramóia" que teria sido orquestrada pelo próprio prefeito e executada pelo seu secretário de Finanças, Joaquim Alexandre de Oliveira.

Conduzidos por quatro policiais militares, algemados e dentro do "camburão", da sede da Prefeitura Municipal até a Delegacia da cidade, Alves e Pin foram ouvidos pela delegada Cinthia Gomes da Rocha Cupido e, na sequência, liberados.

À reportagem, eles alegaram que foram vítimas de uma "cilada". "Estávamos investigando denuncias de desvio de dinheiro por parte do prefeito e também sobre a compra de 18 ônibus escolares sucateados, como se fossem novos", disseram.

Quanto à acusação de que o pagamento de R$ 5 mil seriam a título de propina para que não fosse divulgado nada contra o prefeito, Otávio Alves e Márcio Pin afirmam que se "assustaram" quando o secretário de Finanças começou a tirar o dinheiro de uma gaveta e colocar sobre a mesa do prefeito.

"Queríamos ouvir a versão do prefeito sobre essas acusações, mas ele não quis nos dar a versão e saiu da cidade. O prefeito deixou o Joaquim Alexandre para resolver essa situação e foi armada a cilada. Estávamos voltando para Cuiabá e o secretário disse que queria falar com a gente. Saímos de lá presos", contou.

Eles disseram que, realmente, iriam receber R$ 5 mil da prefeitura, mas por uma pesquisa realizada, e que o pagamento era esperado em cheque, de forma oficial. "Fizemos a pesquisa para consumo interno da prefeitura, no valor de R$ 10 mil, sendo R$ 5 mil de entrada e R$ 5 mil no final, nota essa que foi empenhada no mesmo dia fomos presos", relatou.

Suborno

Os dois confirmaram que receberam uma oferta de suborno por parte do prefeito Mauro Rui Heisler, para não divulgar as denuncias, no valor de R$ 110 mil.

"Quando ele soube que estávamos com essa documentação das denúncias ele começou a articular uma situação para calar a nossa boca, chegou a nos ameaçar e tentou forjar uma parceria, uma sociedade e nos ofereceu R$ 110 mil", contaram.

"Humilhados"

Os dois ressaltaram que estão se sentindo "humilhados perante a sociedade" porque o fato foi noticiado em todo Estado, inclusive, com fotos deles algemados.

"Procuramos trabalhar certo e vem um canalha desse, maldoso e tenta calar a boca da imprensa. Não vamos nos calar e vamos publicar as denúncias. Temos famílias e estamos envergonhados, mas temos certeza que a verdade virá à tona e quem sairá algemado, direto para a cadeia, será esse prefeito", afirmou Pin.

Danos

Eles afirmaram que já estudam a possibilidade de acionar judicialmente a Prefeitura, "pela armação", o Estado pelo fato de terem sidos algemados e ainda outros tipos de danos sofridos.

"Vamos estudar junto aos nossos advogados quais os procedimentos a serem tomados e vamos buscar nossos direitos, isso é certo", declararam.

Confira as explicações de Otávio Alves e Márcio Pin em entrevista ao Midianews:

Quem leu esta matéria tambem se interessou por: